Política Rio

Pode respingar no Papai: Vereador do Rio, Carlos Bolsonaro, é aconselhado a se afastar do parlamentar Gabriel Monteiro

Publicados

Política Rio

Parlamentares disseram a Carlos Bolsonaro que aproximação com Gabriel Monteiro pode respingar negativamente na campanha de Jair Bolsonaro – Foto: Reprodução / Dia a dia Notícia

O vereador Carlos Bolsonaro foi aconselhado por colegas da Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro a não aliar sua imagem à de Gabriel Monteiro.

Parlamentares mais chegados a Carluxo disseram que a relação com Monteiro, que é réu por filmar uma relação sexual com uma menor de idade, pode respingar negativamente na campanha de Jair Bolsonaro ao Planalto.

A orientação, segundo um parlamentar próximo de Carlos disse à coluna, foi endossada por Flávio Bolsonaro, que atua na coordenação política da campanha do pai. Carlos é o responsável pelas redes sociais. Guilherme Amando / Metrópoles

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Veja o Vídeo: Desfile da Rosas de Ouro bomba ao levar presidente Bolsonaro virando jacaré para sambódromo
Propaganda

Política Rio

Ministério Público no Rio de Janeiro denuncia deputado Rodrigo Amorim por crime de violência política de gênero

Publicados

em

De acordo com a denúncia, deputado teria assediado, constrangido e humilhado a vereadora Benny Briolly durante um discurso no dia 17 de maio – Foto: Divulgação / Alerj

A Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) no Rio de Janeiro, órgão do Ministério Público (MP) Eleitoral/RJ, denunciou o deputado estadual Rodrigo Amorim (PTB-RJ) por violência política de gênero.

De acordo com a denúncia, no dia 17 de maio o deputado teria assediado, constrangido e humilhado Benny Briolly, vereadora do PSOL em Niterói, durante um discurso.

Para a Procuradoria, o crime eleitoral teria como meta impedir e dificultar o desempenho do mandato da vereadora.

Na denúncia, oferecida na noite de sexta-feira (1°), os procuradores regionais Neide Cardoso de Oliveira e José Augusto Vagos citaram que o discurso teve transmissão ao vivo pela TV Alerj, e retransmissão em diversas mídias, em especial na internet, alcançando grande repercussão, e que vitimizou diretamente uma funcionária pública no exercício das suas funções.

No Código Eleitoral, o crime imputado a Amorim tem penas previstas entre 1 e 4 anos de prisão e multa. Esse tipo de condenação por decisões dos TREs pode levar a inelegibilidade por oito anos.

Leia Também:  Daniel Silveira se recusa a receber notificação de ordem do STF para que coloque novamente a tornozeleira

“Admitindo-se que o Deputado ou qualquer parlamentar possa assediar, constranger, humilhar e subjugar outra parlamentar mulher e impedi-la de exercer seu mandato, agredindo-a de forma aviltante, invalida-se a norma penal e o crime de violência política de gênero”, destacam os procuradores.

Na avaliação da PRE/RJ, a divulgação das ofensas e humilhações causaram grave dano político à vítima em relação a sua imagem diante do seu eleitorado e demais eleitores.

Em nota, a assessoria do deputado informou que só vai se pronunciar após ser notificado oficialmente da decisão. Do G1 Rio

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

TUDO SOBRE POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA