SAÚDE

Programa Saúde com Agente oferece formação técnica para 200 mil profissionais em todo o Brasil

Publicados

SAÚDE

O objetivo é melhorar os indicadores de saúde, a qualidade e a resolutividade dos serviços da Atenção Primária no Brasil – Foto: Geovana Albuquerque / Agência Brasília

O Ministério da Saúde lançou, nesta quarta-feira (22), os cursos de formação técnica do programa Saúde com Agente. A iniciativa vai capacitar cerca de 200 mil Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate a Endemias, com o objetivo de melhorar os indicadores de saúde, a qualidade e a resolutividade dos serviços da Atenção Primária no Brasil.

O programa, lançado em dezembro de 2020, conta com a parceria do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e das Secretarias Municipais de Saúde. Até fevereiro de 2022, 5.452 municípios aderiram ao programa – cerca de 98% das cidades brasileiras – com 236.453 inscrições. Dessas, 198.265 foram homologadas em junho deste ano. 

Ao todo, são ofertadas 138 mil vagas para o Curso Técnico de Agentes Comunitários de Saúde e 62 mil vagas para Curso Técnico em Vigilância em Saúde com Ênfase no Combate às Endemias, com investimento de mais de R$ 388 milhões, com recursos inteiramente da União.

Leia Também:  Cientistas criam macarrão “transformer” que muda de forma quando cozido

O secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Hélio Angotti Neto, detalha como será a capacitação.

“É um curso que vai tratar de conhecimentos, ciências, técnicas, habilidades e atitudes, a parte ética. É um curso de formação integral e global. E esse é o tipo de saúde que queremos para nosso cidadão: uma saúde integral, com pessoas compromissadas com o bem, compromissadas com o nosso país.”

Segundo o Ministério da Saúde, o intuito é que os agentes tenham um olhar apurado sobre as informações coletadas nas residências e saibam como melhor orientar os pacientes que precisam de atendimento em saúde. 

As aulas estão previstas para começar no dia 9 de agosto deste ano, na modalidade à distância (EAD), com atividades presenciais realizadas no ambiente de trabalho dos agentes. Nos municípios com dificuldade ou sem acesso à internet, os alunos poderão assistir às aulas pela TV, pelo canal Mais Conasems.

“Um curso que, em dez meses intensivos, oferecerá 1.275 horas de experiência e de aprendizagem para elevar toda uma categoria profissional a nível técnico, para distribuir conhecimento e capacitação, e para ajudar a modernizar nosso Sistema Único de Saúde”, afirma o secretário.

Leia Também:  RJ começa a implantar bases do Samu para desafogar atendimento em hospitais das Zonas Norte e Oeste do Rio

Durante o lançamento dos cursos, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, destacou o papel fundamental dos Agentes Comunitários de Saúde e de Combate a Endemias.

“Os nossos recursos humanos são parte fundamental da eficiência e da qualidade da assistência à saúde. E parte importante desses recursos humanos são os Agentes Comunitários de Saúde. São os olhos do SUS na casa de cada um dos brasileiros. São vocês que chegam lá para ver e ouvir os reclames da nossa sociedade. Então, é muito mais do que justo que nós nos empenhemos ao máximo para qualificar os Agentes Comunitários de Saúde.”

“Esse curso, com a abrangência que tem, com o conteúdo programado de excelência que foi elaborado em parceria com uma das melhores universidades do Brasil, fará uma verdadeira revolução no nosso sistema de saúde”, acrescenta.

Para outras informações, acesse a página oficial do Ministério da Saúde ou ligue gratuitamente para o 136. Fonte: Brasil 61

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Cuida Mais Brasil: Equipes que contam com ginecologistas e obstetras ampliam em 25% o número de consultas de pré-natal

Publicados

em

Para ampliar o atendimento de ginecologistas e obstetras na Atenção Primária à Saúde em todo Brasil, Ministério da Saúde vai investir mais de R$ 169 milhões – Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasiil

O desempenho no indicador de quantidade de consultas de pré-natal no Brasil é 25% maior nas equipes de Atenção Primária à Saúde (APS) que contam com a presença de ginecologistas e obstetras no atendimento. Com maior busca ativa, os números também revelam um aumento de 15% no registro de casos de infecções  sexualmente transmissíveis (IST), como sífilis e HIV/Aids, em mulheres que realizam consultas de pré-natal  durante a gestação, nos locais onde estes profissionais integram a equipe de saúde.

Considerando os municípios brasileiros que têm médicos especialistas vinculados às equipes de saúde, o indicador de quantidade de consultas pré-natal é 43% maior. Já o total de exames realizados nas unidades que contam com ginecologistas e obstetras têm 38% mais procura por parte de mulheres grávidas. 

Segundo a enfermeira e Diretora do Departamento de Saúde da Família do Ministério da Saúde, Renata Maria de Oliveira Costa, os dados mostram que a presença de profissionais especializados significa melhor tratamento médico durante a gestação.

Leia Também:  Solução eficiente: Estudos mostram avanços significativos para o tratamento e a sobrevida dos pacientes com câncer

“Sabemos que é um momento delicado da vida da mulher e da família. De fato, há casos mais complexos, que muitas vezes precisam de um olhar mais especializado”, ressalta. Renata acrescenta que esse atendimento contribui para identificar eventuais doenças crônicas, além de monitorar a saúde das futuras mamães.

Foi graças à assistência e à orientação de profissionais especializados durante o pré-natal pelo SUS que a estudante Paula Maiara, de 19 anos, moradora do Entorno do Distrito Federal, descobriu que sua gestação era de alto risco.

“Fiz os exames, tudo certinho. Só que aí em um dos exames deu umas alterações, me classificaram como gravidez de alto risco. Então, me encaminharam para Luziânia. Estão cuidando melhor de mim”, conta Paula.

Atualmente, 2,1 mil municípios brasileiros contam com profissionais especializados no atendimento materno e infantil na Atenção Primária à Saúde. Ao todo, são 5,3 mil ginecologistas e obstetras vinculados a 1,3 mil equipes. 

Para ampliar esse serviço a até  7,4 mil equipes, o Ministério da Saúde, por meio do Programa Cuida Mais Brasil, vai reforçar os atendimentos feitos por pediatras e ginecologistas-obstetras na APS. Assim, esse suporte ficará mais perto das Unidades Básicas de Saúde (UBS) em todo Brasil.

Leia Também:  Governador Castro diz que nenhuma outra comunidade será ocupada até que o programa esteja 100% no Jacarezinho e na Muzema

Cuida Mais Brasil: o que é?

Lançado este ano, o Cuida Mais Brasil é um programa do Ministério da Saúde que vai liberar R$ 169,6 milhões para atendimentos feitos por médicos pediatras e ginecologistas/obstetras na Atenção Primária à Saúde. A iniciativa tem como foco garantir a saúde geral da mulher desde a gravidez até o acompanhamento de crianças recém-nascidas e o cuidado com a infância por meio de ações complementares às equipes da Saúde da Família e Atenção Primária à Saúde.

Para mais informações, acesse o site do Ministério da Saúde: gov.br/saude. Ou entre em contato com a Secretaria de Saúde do seu estado.

Fonte: Brasil 61

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

TUDO SOBRE POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA