Política

Novo ministro de Minas e Energia defende que Brasil se afaste de Rússia e China e se aproxime de ‘democracias amigas’

Publicados

Política

Adolfo Sachsida também quer promover mudanças na legislação para acelerar a privatização da Petrobrás e da Eletrobrás, além de beneficiar o agronegócio – Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Brasil 247 – Adolfo Sachsida, que tomou posse como ministro de Minas e Energia nesta quarta-feira, 11, afirmou que um de seus objetivos à frente da pasta será promover um “realinhamento mundial dos investimentos”, com o afastamento de países como a Rússia e a China e a aproximação com o que ele qualificou como “democracias ocidentais amigas”.

A China é atualmente o maior parceiro comercial do Brasil e a Rússia é um parceiro importante, uma vez que é de lá que o Brasil importa a maior parte do adubo necessário ao agronegócio. No ano passado, a Rússia ocupou a sexta posição no ranking de importações brasileiras.

Sachsida é alinhado com o neoliberalismo do ministro da Economia, Paulo Guedes, e defensor da extrema direita, tendo sido seguidor e aluno do astrólogo Olavo de Carvalho, considerado um dos “gurus do bolsonarismo” e falecido em janeiro deste ano. Nesta linha, ele já chegou a dizer que a China “é uma merda”.

Os planos do ministro foram detalhados em um comunicado à imprensa feito por ele nesta quarta-feira. Além de defender o afastamento de China e da Rússia, Sachsida também afirmou que irá pressionar o Congresso Nacional visando alterar a legislação sobre o regime de partilha do pré-sal e sobre o agronegócio, além de acelerar as privatizações da Petrobrás e Eletrobras.

Leia Também:  Desembargadores que condenaram Lula sem provas não recebem votos para Superior Tribunal de Justiça

Confira a íntegra da declaração de Adolfo Sachsida. 

“1) Realinhamento mundial dos investimentos

Saindo da Rússia/China e outros países

Indo para democracias ocidentais amigas

Dessa forma, as reformas pró-mercado possibilitaram ao Brasil se tornar o porto seguro neste período de incerteza e turbulência mundial. No primeiro trimestre deste ano, segundo a Bloomberg, enquanto houve forte saída de capital em ações na China (US$ 117 bilhões), observou-se entrada de cerca de US$ 12 bilhões no Brasil neste período.

2) Essa rodada é decisiva: países que aproveitarem essa janela de realocação produtiva do investimento mundial terão ganhos sustentáveis de longo prazo

3) O Brasil é hoje uma importante referência mundial no que se refere a segurança alimentar e segurança energética.

4) Nossa matriz de energia é limpa e sustentável

Investir em fontes energéticas limpas é um caminho seguro a ser trilhado, e o Brasil se orgulha de sua matriz energética se encontrar entre as mais limpas do mundo

5)   Em PARCERIA COM O CONGRESSO NACIONAL precisamos aprovar os seguintes projetos de lei para aprimorar nossos marcos legais e melhorar a segurança jurídica dando a previsibilidade necessária para que o investimento privado flua cada vez mais para o Brasil

Leia Também:  Ex-ministro Joaquim Barbosa teme atentado contra Lula e diz para ex-presidente reforçar segurança

PL 414/2021 (antigo PLS 232/2016) – Modernização do Setor Elétrico

PL 3178/2019 – Mudança do regime de partilha para concessão

Mais Garantias Brasil

i. MP 1085/2021: Modernização de Registros Públicos

ii. PL 4188/2021: Novo Marco de Garantias

iii. MP 1103/2022: Novo Marco de Securitização

iv. MP 1104/2022: Aprimoramento das Garantias Agro

Fundamental também darmos prosseguimento ao processo de privatização da Eletrobras

i. Sinal importante para atrair mais capitais para o Brasil

6)   Por fim, meu primeiro ato como ministro de Minas e Energia é solicitar ao ministro Paulo Guedes, presidente do Conselho do PPI, que leve ao Conselho a inclusão da PPSA no PND para avaliar as alternativas para sua desestatização. Ainda como parte de meu primeiro ato solicito também o início dos estudos tendentes à proposição das alterações legislativas necessárias a desestatização da Petrobras.”

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política

Ciro Gomes perde debate para Duvivier e tem mais menções negativas nas redes após o evento

Publicados

em

Diretor da Quaest aponta que as menções a Ciro Gomes aumentaram nas redes sociais, mas foram mais negativas – Foto: Reprodução

Brasil 247 – O pré-candidato à presidência pelo PDT, Ciro Gomes, perdeu o debate, na sexta-feira, 20, com o humorista Gregório Duvivier, segundo dados levantados pela Quaest, e divulgados pelo diretor do instituto de pesquisa, Felipe Nunes, nas redes sociais neste sábado, 21

“O que é inequívoco é que Ciro Gomes conseguiu esquentar a noite fria de 20/05. A média de menções ao seu nome passou de 25 mil para quase 90 mil”, comentou.

“O que Ciro não conseguiu fazer, no entanto, foi provocar uma mudança no sentimento digital das pessoas sobre ele. No começo da semana, o percentual de menções positivas foi de 28%, após o debate, ele chegou a 19%”, concluiu.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Desembargadores que condenaram Lula sem provas não recebem votos para Superior Tribunal de Justiça
Continue lendo

POLÍTICA

TUDO SOBRE POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA