Política de Brasília

Michelle Bolsonaro aparece em rede nacional de TV em crime eleitoral do governo Bolsonaro

Publicados

Política de Brasília

A primeira-dama apareceu ao lado da ministra dos Direitos Humanos e mandou “um abraço especial a todas as mães deste país, quilombolas, indígenas” – Foto: Reprodução

Brasil 247 – Jair Bolsonaro pode ter cometido crime eleitoral ao colocar a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, em um pronunciamento em rede nacional de rádio e TV para transmitir uma mensagem de Dia das Mães e aproveitar para anunciar programas de governo para as mulheres, eleitorado em que o pré-candidato à reeleição vai de mal a pior, segundo as pesquisas.

Michelle apareceu ao lado da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Cristiane Rodrigues Brito, e mandou um “um abraço especial a todas as mães deste país, quilombolas, indígenas”, o que parece soar até como deboche depois de tantas agressões do atual governo contra as populações indígenas.

De acordo com o decreto 84.181 de 1979, a rede nacional de rádio e TV só pode ser convocada para pronunciamentos dos chefes dos Três Poderes, ou de ministros de Estado autorizados pelo presidente da República. A lei não autoriza pronunciamento de terceiros, lembrou no Twitter o repórter de Brasília Renato Souza, do portal R7.

Leia Também:  Lula no 1º de maio: "Bolsonaro governa para seus milicianos, alguns inclusive responsáveis pela morte de Marielle"

No vídeo, Michelle disse que o governo federal tem implementado diversas ações que beneficiam as mães. As mulheres, que chefiam de quatro a cada dez lares brasileiros, estão entre os grupos mais afetados pela crise econômica.

Bolsonaro e o eleitorado feminino

Em 2018, a candidatura de Jair Bolsonaro recebeu bem menos apoio do eleitorado feminino do que qualquer outro candidato a presidente. Na disputa à reeleição, o cenário não é diferente. Uma ferramenta de agregação de pesquisas do Portal Jota aponta que as mulheres, que representam 53% do eleitorado e proporcionalmente votam mais que os homens, apoiam menos o atual governo.

Segundo números divulgados em março, 20% das mulheres avaliam o trabalho de Bolsonaro como positivo, atribuindo conceitos de ótimo ou bom nas pesquisas, contra 31% no público masculino. A diferença entre os dois grupos é, portanto, de 10 pontos percentuais. 

Considerando o intervalo de credibilidade de 95% calculado pelo modelo, a parcela de mulheres que aprovam o trabalho do mandatário está entre 19% e 22%. Já a parcela de homens que também aprovam o governo está entre 29% e 33%.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política de Brasília

“Foi só comida e conversa fiada”: Executivos de empresas criticaram encontro com Elon Musk em São Paulo

Publicados

em

Executivos reclamaram da falta de efeitos práticos dos anúncios – Foto: Reprodução

Executivos de empresas criticaram o encontro com o bilionário Elon Musk nessa sexta-feira (20) durante evento do Ministério das Comunicações no interior de São Paulo. Empresários reclamaram da falta de efeitos práticos dos anúncios e classificaram o encontro de “conversa fiada”.

Embora o evento para falar de satélite ou tema conectividade da Amazônia , só Musk teve espaço, o que incomodou parte dos CEOs. Segundo o jornal O Globo, um executivo chamou o encontro com Elon Musk de “um grande evento de publicidade”. Outro deles classificou o convescote como “uma ideia de jerico”. O almoço teria sido mais elogiado pelo menu do que pelo teor das conversas: “foi só comida e conversa fiada”, definiu um dos presentes, segundo o jornal. Um dos presentes decidiu ir embora e resumiu sua participação: “vim ver e ser visto por uma questão de cortesia com o Ministério das Comunicações”

A presença do BTG chamou a atenção, com a presença de alunos da Inteli, apoiado pelo banco. Musk almoçou entre Bolsonaro e o banqueiro André Esteves. Os fundos do BTG compram metade da empresa de fibra ótica da Oi, a InfraCo.

Leia Também:  'Alckmin vice com Lula ajudará a derrubar o inimigo da civilização brasileira, que é Bolsonaro”, diz Aloysio Nunes

A empresa de satélite bilionário tem autorização para operar no Brasil e pretende oferecer internet em áreas rurais a partir de meados deste ano nas regiões Sul e Sudeste.

O programa que o bilionário Elon Musk veio oferecer ao governo de Jair Bolsonaro nesta sexta-feira (20) para conectar escolas rurais à internet já existe desde 2018. 

Segundo a jornalista Malu Gaspar, do Globo, o programa foi executado por meio de um acordo da Telebras com a empresa Viasat Telecomunicações, do igualmente bilionário Mark Dankberg e o maior concorrente de Musk nos Estados Unidos. 

Pelo acordo firmado, a Viasat utiliza 58% da capacidade do satélite SGDC-1 e a Telebras, 42%. O governo pagou R$ 700 milhões para a instalação dos equipamentos e colocá-los em operação.

Chamado inicialmente de Governo Eletrônico – Serviço de Atendimento ao Cidadão (Gesac) e rebatizado por Jair Bolsonaro de de Wi-Fi Brasil, ele usa um satélite que custou R$ 3 bilhões ao governo brasileiro para conectar 10 mil escolas das regiões Norte e Nordeste à internet.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

TUDO SOBRE POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA