Política de Brasília

Discurso golpista de Jair Bolsonaro, de tentar desacreditar as urnas eletrônicas, perde cada vez mais força

Publicados

Política de Brasília

Pesquisa mostra que caiu o índice de brasileiros que dizem não acreditar nas urnas. Fachin diz que “quem trata de eleição são forças desarmadas” – Foto: Reprodução Site do PT

O discurso golpista de Jair Bolsonaro, de tentar desacreditar as urnas eletrônicas, perde cada vez mais força. Pesquisa Genial/Quaest, divulgada na quarta-feira (11), mostra que o índice de brasileiros que dizem não acreditar nas urnas caiu de 27%, em setembro do ano passado, para 22%. Já os que dizem confiar muito está em 40%.

O levantamento mostra que Bolsonaro, com seu golpismo, está cada vez mais isolado da sociedade brasileira, que não compra o lenga-lenga do ex-capitão, que, na quarta-feira (11), voltou a questionar o sistema eleitoral.

“Nós queremos eleições transparentes, com a grande maioria, ou diria a totalidade do seu povo”, disse, ao visitar um parque de exposições em Maringá (PR), voltando a insinuar que a votação no Brasil não é transparente.

Desde o ano passado, Bolsonaro passou a questionar as eleições, claramente com o intuito de não aceitar sua cada vez mais inevitável derrota nas urnas, numa grotesca imitação de Donald Trump.

Leia Também:  TSE revela perguntas de militares sobre segurança das urnas, publica respostas e espera calar Bolsonaro

Ele já defendeu a volta do voto impresso, disse que apresentaria provas de fraudes no pleito de 2018 e depois voltou atrás e inventou mentiras deslavadas sobre salas secretas de apuração e ataques cibernéticos (num episódio em que acabou cometendo um crime de vazamento de dados).

Mais recentemente, anunciou que seu partido contratará uma auditoria privada das eleições, em mais uma tentativa de acuar o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), e envolveu militares, que, após serem incluídos na Comissão de Transparência das Eleições, passaram a questionar o sistema eleitoral com afirmações infundadas e relatórios cheios de erros conceituais.

Fachin: “Investe contra a democracia”

Diante desse último movimento, o presidente do TSE, Edson Fachin, tem se preocupado em esclarecer o óbvio e lembrado como a democracia funciona. Nesta quinta-feira (12), voltou ao tema e disse que “quem trata de eleição são forças desarmadas, e, portanto, diz respeito à população civil, que, de maneira livre e consciente escolhe seus representantes”.

Fachin também lembrou que atacar as eleições é atacar a democracia, ressaltando que não estava mandando recado a ninguém, mas apenas fazendo uma constatação. “Quem investe contra o processo eleitoral investe contra a democracia. É um fato e fato fala por si só. Não se trata de recado, é uma constatação. Temos respeito a todo chefe de estado e jamais nos furtaremos ao diálogo. Não há afirmação do que desborde da legalidade constitucional”, disse Fachin.

Leia Também:  "Fato novo" prometido por Bolsonaro será armação para atribuir ao PT a suposta facada em Juiz de Fora

Lula: “Se pudesse roubar na urna, eu não teria sido eleito”

Durante um evento em Juiz de Fora (MG), na noite de quarta-feira, o presidente Lula apontou a postura patética e golpista de Bolsonaro. “Ele está dizendo que a urna eletrônica vai dar em roubo. Sabe por que eu confio na urna eletrônica? Porque se pudesse roubar nela, um torneiro mecânico não teria sido eleito presidente da República duas vezes”, disse, referindo-se às próprias eleições, em 2002 e 2006.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política de Brasília

“Foi só comida e conversa fiada”: Executivos de empresas criticaram encontro com Elon Musk em São Paulo

Publicados

em

Executivos reclamaram da falta de efeitos práticos dos anúncios – Foto: Reprodução

Executivos de empresas criticaram o encontro com o bilionário Elon Musk nessa sexta-feira (20) durante evento do Ministério das Comunicações no interior de São Paulo. Empresários reclamaram da falta de efeitos práticos dos anúncios e classificaram o encontro de “conversa fiada”.

Embora o evento para falar de satélite ou tema conectividade da Amazônia , só Musk teve espaço, o que incomodou parte dos CEOs. Segundo o jornal O Globo, um executivo chamou o encontro com Elon Musk de “um grande evento de publicidade”. Outro deles classificou o convescote como “uma ideia de jerico”. O almoço teria sido mais elogiado pelo menu do que pelo teor das conversas: “foi só comida e conversa fiada”, definiu um dos presentes, segundo o jornal. Um dos presentes decidiu ir embora e resumiu sua participação: “vim ver e ser visto por uma questão de cortesia com o Ministério das Comunicações”

A presença do BTG chamou a atenção, com a presença de alunos da Inteli, apoiado pelo banco. Musk almoçou entre Bolsonaro e o banqueiro André Esteves. Os fundos do BTG compram metade da empresa de fibra ótica da Oi, a InfraCo.

Leia Também:  'Decepção' e 'vergonha' são os sentimentos mais associados ao governo Bolsonaro, mostra Quaest

A empresa de satélite bilionário tem autorização para operar no Brasil e pretende oferecer internet em áreas rurais a partir de meados deste ano nas regiões Sul e Sudeste.

O programa que o bilionário Elon Musk veio oferecer ao governo de Jair Bolsonaro nesta sexta-feira (20) para conectar escolas rurais à internet já existe desde 2018. 

Segundo a jornalista Malu Gaspar, do Globo, o programa foi executado por meio de um acordo da Telebras com a empresa Viasat Telecomunicações, do igualmente bilionário Mark Dankberg e o maior concorrente de Musk nos Estados Unidos. 

Pelo acordo firmado, a Viasat utiliza 58% da capacidade do satélite SGDC-1 e a Telebras, 42%. O governo pagou R$ 700 milhões para a instalação dos equipamentos e colocá-los em operação.

Chamado inicialmente de Governo Eletrônico – Serviço de Atendimento ao Cidadão (Gesac) e rebatizado por Jair Bolsonaro de de Wi-Fi Brasil, ele usa um satélite que custou R$ 3 bilhões ao governo brasileiro para conectar 10 mil escolas das regiões Norte e Nordeste à internet.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

TUDO SOBRE POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA