Política de Brasília

Brasil clama por socorro: Bolsonaro tenta entregar de vez o Brasil com a privatização do pré-sal e da Petrobrás

Publicados

Política de Brasília

Bolsonaro tenta unificar o capital e os golpistas de 2016 em torno da sua candidatura. Novo ministro de Minas e Energia, disse que privatização é sua prioridade – Foto: Agência Senado / Jefferson Rudy | Reuters

Brasil 247 – Novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida afirmou nesta quarta-feira, 11, que vai trabalhar pela privatização da Petrobras e da Pré-Sal Petróleo S.A., responsável por gerir os contratos da União no pré-sal. O pré-sal é um recurso descoberto pela petrolífera estatal brasileira durante os governos petistas e que permitiu o desenvolvimento econômico do país no período destes governos.

Sachsida afirmou que a privatização da Petrobras, um dos motores econômicos do Brasil, será sua primeira ação à frente da pasta, e que pedirá estudos ao governo para isso. No entanto, ele não informou se definirá um prazo específico para isso.

“Meu primeiro ato como ministro será solicitar ao ministro [da Economia] Paulo Guedes, presidente do Conselho do PPI [Programa de Parcerias de Investimentos], que leve ao conselho a inclusão da PPSA no PND [Programa Nacional de Desestatização] para avaliar as alternativas para sua desestatização”, disse Sachsida.

Leia Também:  Polícia Federal abre inquérito para apurar fake news de Bolsonaro que associou vacina contra Covid a Aids

“Ainda como parte do meu primeiro ato, solicito também o início dos estudos tendentes à proposição das alterações legislativas necessárias à desestatização da Petrobras”, completou.

O ministro também indicou que pretende privatizar a Eletrobras, prejudicando o desenvolvimento da economia nacional. Um projeto que já foi definido por muitos especialistas, assim como o ex-presidente Lula (PT) em suas falas recentes, como “lesa pátria”.

“A Eletrobras foi construída ao longo de décadas, com o suor e a inteligência de gerações de brasileiros. Mas o atual governo faz de tudo para entregá-la a toque de caixa e a preço de banana. O resultado de mais esse crime de lesa-pátria seria a perda da nossa soberania energética. Defender a nossa soberania é defender também a Eletrobrás daqueles que querem o Brasil eternamente submisso”, afirmou Lula em discurso de lançamento do Movimento “Vamos Juntos pelo Brasil”.

Nas redes sociais, o jornalista Leonardo Attuch, editor do Brasil 247, disse que a privatização das estatais é “a última cartada de Bolsonaro para unificar de vez o capital e todos os golpistas de 2016 em torno da sua candidatura”.

Nesta quarta, em plenária popular com a prefeita de Juiz de Fora (MG), Maragarida Salomão, Lula denunciou as privatizações das empresas públicas brasileiras. “Quero aproveitar o humanismo reinante nessa sala, o calor democrático nessa sala, e dizer ao governo e aos empresários: parem de privatizar as empresa públicas”, enfatizou.

Leia Também:  Deputada diz que Bolsonaro foi aplaudido em escola e funcionárias desmentem: "isso não aconteceu, é mentira"

Dando sinal de que o PT pretende reverter as privatizações, Lula afirmou que “quem se meter a comprar a Petrobras, vai ter que conversar conosco depois da eleição. Parem de tentar privatizar a Eletrobras. Parem de privatizar os Correios, o Banco do Brasil, a Caixa Econômica, o BNDES, o BnB. Aprendam a trabalhar, a investir e a fazer política econômica ao invés de vender as coisas que já estão prontas”.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política de Brasília

Por que Bolsonaro volta a ter medo da cadeia? Sabe que o medo de ser preso é apenas consequência de tudo o que nunca suportou

Publicados

em

Para Moisés Mendes, quando diz que não teme prisão, porque Deus irá protegê-lo, Bolsonaro se imagina preso e se agarra ao imponderável. “É a hora do desespero” – Imagem: Reuters / Adriano Machado

Por Moisés Mendes, para o Jornalistas pela Democracia – A certeza de Bolsonaro de que é um homem imune a condenações e prisões o expõe como um sujeito atormentado pelo pesadelo do cárcere.

Um poderoso certo de que ficará livre e impune, apesar dos crimes que sabe ter cometido, não fica repetindo que não teme a prisão, como ele disse nessa segunda-feira.

“Até já falam que eu vou ser preso. Por Deus que está no céu, eu nunca serei preso”, disse o pregador inseguro em evento no alto da colina da Associação Paulista de Supermercados. O que ele pode der dito é que espera ter apoio para não ser preso.

Apoio daqueles que estavam ali e o aplaudiram, dos que não estavam e estão quietos, dos silenciosos da Fiesp, da OAB, de sindicatos, das chamadas organizações da tal sociedade civil. As entidades não só de supermercados, mas de gente de bem que vende bois, vacas, armas, juros, dólar e madeira e ouro das terras dos índios.

Bolsonaro sabe que, se as leis que valem para os outros, principalmente para pobres e negros, forem válidas também para ele, é quase certo que será preso.

Leia Também:  PEC de Bolsonaro e Lira favorece interesses políticos e corporativos com 31 bilhões de reais

Mas conta com a blindagem que o protegerá. Não só dos militares e dos milicianos. Bolsonaro tenta acreditar que, já na sarjeta, terá apoio de quem o protege hoje, mesmo que precariamente.

O que procura negar, mais como autoengano, é que perdedores não têm a proteção de ninguém. Se for derrotado, se ficar ainda mais alucinado depois da eleição, Bolsonaro não será nada. Talvez seja menos do que um Queiroz.

Os que hoje o aplaudem, quando ele diz que os banheiros dos supermercados não devem ser fiscalizados, vão largá-lo logo adiante. Nem Deus do céu se interessa muito por quem perde força e poder.

Mas a questão está posta de novo, a partir da inquietação do próprio Bolsonaro. As instituições serão capazes de levar adiante não só os processos contra ele, mas contra todo o seu entorno? E têm força para mandar prender fascistas?

As quadrilhas das vacinas continuarão impunes? Deus do céu vai proteger também os que se organizaram para vender cloroquina e negar a ciência? E os fabricantes e financiadores de fake news?

Os filhos de Bolsonaro, os militares citados pela CPI do Genocídio, as milícias da família, os chefes das gangues do orçamento secreto, todos eles têm a mesma certeza que Bolsonaro tenta transmitir, quando o que transmite mesmo é o medo de ser preso?

Bolsonaro é um sujeito acionado por dúvidas, que avança uma semana e recua na seguinte, que agride o Supremo e manda cartinha, que incentiva os pregadores do golpe e de ilegalidades e logo depois desqualifica os defensores do AI-5.

Leia Também:  Bolsonaro diz que Brasil vive sob ditadura e que "vai acontecer algo" nos próximos dias "que vai nos salvar"

Deus do céu não protege quem vacila. Bolsonaro é um estudioso da Bíblia e sabe o que Paulo disse na primeira epístola aos coríntios. Paulo disse: Deus não permite que um homem seja tentado além daquilo que pode suportar.

Bolsonaro não consegue suportar o governo, não suporta a ideia de que pode perder a eleição e pode não suportar o próprio plano de um golpe. Já sabe que o medo de ser preso é apenas consequência de tudo o que nunca suportou.

Falta fé a Bolsonaro até para se imaginar em outro lugar que não seja o cárcere. Quando diz a empresários que não teme a prisão, porque Deus do céu irá protegê-lo, ele se imagina preso e se agarra ao imponderável. É a hora do desespero.

Os empresários que ouviram seus gritos (dizem que nunca falou tão alto) em São Paulo vão à missa, como todos os que têm Deus acima de tudo, mas Bolsonaro sabe que eles não acreditam em Deus.

Eles não acreditam nem no que Bolsonaro fala. Só levam a sério o medo do sujeito de ser preso. Os empresários enxergam Bolsonaro gritando agarrado às grades de uma cela da Papuda.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

TUDO SOBRE POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA