Política de Brasília

Bolsonaro, que já disse “botar a cara no fogo” por Milton Ribeiro, agora busca distância após prisão na operação da Polícia Federal

Publicados

Política de Brasília

“Ele responde pelos atos dele”, disse Jair Bolsonaro pouco após o ex-ministro da Educação ter sido preso em uma operação da PF que apura desvios e irregularidades na pasta – Foto: Isac Nóbrega / PR | Alan Santos / PR

Brasil 247 – Jair Bolsonaro, que já disse que “colocava a cara no fogo” pela idoneidade do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, agora busca se distanciar do antigo colaborador após ele ter sido preso em uma operação da Polícia Federal (PF), deflagrada nesta quarta-feira, 22, que apura desvios e irregularidades na liberação de recursos da pasta. “Ele responde pelos atos dele”, disse Bolsonaro em entrevista à rádio Itatiaia.

“O caso do Milton, pelo que estou sabendo, é que ele estaria com conversa informal demais com algumas pessoas de confiança dele. Daí houve a denúncia que ele teria buscado prefeito e gente dele para negociar e liberar recursos. Nós afastamos ele. Sinal que a PF está agindo. Ele que responda pelos atos dele. Peço a Deus para que não tenha problema nenhum. Mas, se tiver problema, a PF está investigando”, afirmou Bolsonaro.

“Se a Polícia Federal prendeu, tem um motivo. E o ex-ministro vai se explicar. Nós afastamos na hora que tínhamos que afastar, quando surgiram as denúncias”, destacou Bolsonaro na entrevista.

Leia Também:  Indicado por Bolsonaro, Nunes Marques atua para evitar derrotas do governo no Supremo Tribunal Federal

Os agentes envolvidos na operação que apura irregularidades na liberação de recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) cumpriram cinco mandados de prisão e 13 de busca e apreensão nos estados de Goiás, São Paulo, Pará e Distrito Federal. Entre os alvos centrais estão os pastores Arilton Moura e Gilmar Santos, ligados a Jair Bolsonaro (PL) e suspeitos de atuarem como intermediários na liberação de verbas do esquema, além do próprio Milton Ribeiro.

Áudios divulgados em março deste ano mostraram Ribeiro afirmando que os pastores favoreciam municípios que negociavam verbas diretamente com eles. Ainda segundo Ribeiro, a priorização de verbas para determinadas prefeituras por intermédio dos pastores seria um pedido de Jair Bolsonaro (PL), apesar de eles não possuírem cargos no governo. 

No auge do escândalo, Jair Bolsonaro chegou a dizer que “botava  a cara no fogo” pela idoneidade do então ministro. Milton Ribeiro foi exonerado do cargo poucos dias após o escândalo ser divulgado pela imprensa e Bolsonaro chegou a afirmar que “ele voltaria ao governo”.

Leia Também:  Após alta de combustíveis, Bolsonaro admite que não governa o Brasil: 'eu não decido nada'

Veja o vídeo em que Jair Bolsonaro diz que colocaria a “cara no fogo” por Milton Ribeiro.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política de Brasília

“PEC da compra de votos” “Bolsonaro é um vírus que está prestes a ser expelido”, diz Leonardo Stoppa

Publicados

em

Por isso mesmo, diz o jornalista, a oposição não deve criticar a “PEC da compra de votos” – Foto: Felipe L. Gonçalves/Brasil247 | Marcos Corrêa/PR

Brasil 247 – O jornalista Leonardo Stoppa defendeu, no programa Leo ao Quadrado do dia 1 de julho, em parceria com o jornalista Leonardo Attuch, editor da TV 247, a posição adotada pelos senadores da oposição, que votaram a favor da “PEC da compra de votos” apresentada pelo governo Jair Bolsonaro e aprovada pelo Senado. “Não dá pra combater transferência de renda na véspera de eleição”, disse ele. “Bolsonaro é um vírus que está prestes a ser expelido e precisamos ter paciência e estratégia”.

Stoppa também falou sobre as ameaças golpistas do general Braga Netto. “Bolsonaro não vai dar golpe, mas quer criar medo na sociedade. O golpe é bem difícil no contexto atual. Precisamos conquistar a maioria, inclusive os militares”, afirmou. Stoppa também disse que as pesquisas apontam que muitos candidatos irão se distanciar de Bolsonaro, uma vez que ele contamina as campanhas de candidatos aos governos e ao parlamento. “Cada vez menos políticos querem se associar ao Bolsonaro”, afirma.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Desmatamento da Amazônia explode em terras públicas na Amazônia desde o início do governo Jair Bolsonaro
Continue lendo

POLÍTICA

TUDO SOBRE POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA