Mundo

Kane Tanaka, a pessoa mais velha do mundo, morre aos 119 anos no Japão. Kane vivia numa casa de repouso

Publicados

Mundo

Kane Tanaka, a pessoa mais velha do mundo, morre aos 119 anos – Foto: Reprodução / Twitter

IG – Morreu a pessoa mais velha do mundo, a japonesa Kane Tanaka, aos 119 anos de idade. O falecimento foi divulgado pelo Guinness World Records nesta segunda (25) e confirmada pelo médico Robert Young, que comprovaram o recorde de Tanaka em 2019.

Tanaka nasceu em 2 de janeiro de 1903, na região sudoeste de Fukuoka, no Japão. Foi neste mesmo ano que Marie Curie se tornou a primeira mulher a ganhar um Prêmio Nobel.

Tanaka morava em uma casa de repouso e sua saúde teve uma piora significativa nas últimas semanas. Ela teve cinco filhos e, quando mais jovem, foi dona de uma loja de macarrão e bolo de arroz.

A população japonesa é a mais idosa do mundo, segundo dados do Banco Mundial. Estima-se que o Japão tem cerca de 28% de seus habitantes com 65 anos ou mais.

A pessoa viva mais velha verificada pelo Guinness foi a francesa Jeanne Louise Calment, que morreu aos 122 anos e 164 dias em 1997

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Explosões e sirenes foram ouvidas: Rússia avança na Ucrânia e captura Usina de Chernobyl; Biden fala em breve
Propaganda

Mundo

Crimes de guerra: Soldado russo se declara culpado por matar um idoso civil desarmado na guerra na Ucrânia

Publicados

em

Vadim Shishimarin, um comandante de tanque russo de 21 anos, é acusado de assassinar um civil de 62 anos na vila de Chupakhivka. Se condenado, ele pode pegar prisão perpétua – Foto: Reprodução Youtube

Reuters – Um soldado russo acusado de crimes de guerra na Ucrânia se declarou culpado nesta quarta-feira de matar um idoso civil desarmado.

Vadim Shishimarin, um comandante de tanque russo de 21 anos, falou em um tribunal distrital de Kiev durante o primeiro julgamento por crimes de guerra contra um soldado russo que participou da invasão promovida por Moscou em 24 de fevereiro.

Em um julgamento que tem grande importância simbólica para Kiev, Shishimarin é acusado de assassinar um civil de 62 anos na vila de Chupakhivka, no nordeste da Ucrânia, em 28 de fevereiro. Se condenado, ele pode pegar prisão perpétua.

A Ucrânia acusa a Rússia de atrocidades e brutalidade contra civis durante a invasão e disse que identificou mais de 10.000 possíveis crimes de guerra.

Leia Também:  Importante floresta do mundo: O Acre passou de exemplo de preservação para o de destruição da Amazônia

A Rússia nega alvejar civis ou envolvimento em crimes de guerra e acusou Kiev de encená-los para difamar suas forças.

Questionado sobre o julgamento, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse à Reuters: “Como antes, não há informações (sobre o julgamento) e a capacidade (da Rússia) de prestar assistência também é limitada devido à ausência de nossa missão diplomática”.

Questionado de forma mais ampla sobre as alegações de crimes de guerra contra as forças russas na Ucrânia, Peskov declarou: “Consideramos impossível e inaceitável lançar tais termos. Muitos dos casos que a Ucrânia está falando são falsos, e os mais notórios são encenados, como foi comprovado de forma convincente por nossos especialistas”.

Depois que os guardas levaram Shishimarin ao tribunal algemado, ele foi questionado pelo juiz se aceitava a acusação contra ele. Ele confirmou que sim.

Promotores ucranianos disseram que Shishimarin e outros quatro militares russos atiraram e roubaram um carro de propriedade privada para escapar depois que sua coluna foi alvo de forças ucranianas.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

TUDO SOBRE POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA