Internacional

Nova Zelândia permitirá que viajantes internacionais vacinados entrem no país a partir do próximo ano

Publicados

Internacional

A Nova Zelândia foi um dos primeiros países a fechar as fronteiras, em março de 2020 – Unsplash

A Nova Zelândia permitirá que viajantes internacionais totalmente vacinados entrem no país a partir do próximo ano. A medida consiste em uma flexibilização gradual das suas rígidas restrições de fronteira, que proíbem até mesmo que cidadãos neozelandeses que morem em outras regiões do globo adentrem na ilha. 

Desse modo, segundo o ministro Chris Hipkins, cidadãos totalmente vacinados, residentes e turistas terão permissão para entrar na Nova Zelândia e isso ocorrerá em três fases. O país foi um dos primeiros a fechar as portas durante a pandemia, em março de 2020. Além disso, é também um dos que registraram menos mortes pelo vírus: foram apenas 40 óbitos e 10.600 casos registrados.

A partir do dia 16 de janeiro, a fronteira será aberta apenas para os cidadãos e residentes da Nova Zelândia provenientes da Austrália. No dia 13 de fevereiro, neozelandeses que vêm de outras partes do mundo também terão permissão para entrar. No dia 13 de abril, visitantes totalmente vacinados de todos os outros países, exceto aqueles considerados de “alto risco”, poderão visitar a ilha do Pacífico.

Leia Também:  Patrimônios culturais, arquitetônicos e sociais fluminenses serão monitorados por satélites

“Uma abordagem em fases para se reconectar com o mundo é a mais segura para garantir que o risco seja gerenciado com cuidado. Isso reduz os impactos potenciais sobre as comunidades vulneráveis ​​e o sistema de saúde da Nova Zelândia”, explica Hipkins.

Estima-se que 1 milhão de neozelandeses vivam no exterior e, provalvelmente, muitos dos 5 milhões de residentes da Nova Zelândia têm pelo menos um amigo ou parente morando fora. Alguns não veem seus entes queridos há quase dois anos.

No momento, aqueles que desejam voltar precisam ficar em quarentena em instalações administradas pelo governo, que têm vagas limitadas. As pessoas tiveram que se inscrever em um cadastro online para tentar garantir uma vaga.

Quando as novas regras passarem a valer, todos que entrarem na Nova Zelândia terão que se isolar em casa por sete dias, apresentar um comprovante de vacinação, um teste de Covid-19 negativo e uma declaração de que não foram a um país considerado de alto risco.

Leia Também:  Professor da UERJ prova que Moro mentiu sobre Youssef a partir do que o próprio ex-juiz escreveu em seu livro

Fonte: IG Turismo

Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: Comissão de Educação – Escolha das Emendas da Comissão de Educação ao PLOA 2022 (PLN nº 19/2021-CN) 10h30 – Após a escolha das Emendas, estará presente, na Reunião, o Senhor Danilo Dupas Ribeiro, Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacional…

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter: 3 de Julho Notícias

Youtube: 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook: 3 de Julho Notíci

Página do Instagram: 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Internacional

Ex-bispo da cidade de Albany, admite que encobriu abusos sexuais de crianças por 11 padres ao longo de 25 anos

Publicados

em

Uma associação americana fez a denúncia sobre o religioso para vítimas desse crime 0 Foto: Howard Hubbard, ex-bispo da cidade de Albany / EUA

O religioso Howard Hubbard, ex-bispo da cidade de Albany (EUA), admitiu ter ignorado abusos sexuais de crianças por 11 padres ao longo de 25 anos, denunciou nesta segunda-feira (28) a ONG norte-americana Rede de Sobreviventes de Vítimas de Abuso por Sacerdotes para vítimas desse crime. As informações foram publicadas na Carta Capital

Em abril de 2021, o ex-bispo testemunhou sob juramento por quatro dias na Suprema Corte do estado. Ele reconheceu que, entre 1977 e 2002, foi informado sobre casos de abuso sexual e não fez denúncias do clero à polícia. 

A declaração de 680 páginas foi divulgada na última sexta-feira por ordem de um juiz. “Agora, os paroquianos e o público sabem com certeza que seu ex-bispo estava ativamente envolvido no encobrimento de abusos”, afirmou a ONG em um comunicado.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Após pausa, Rússia ordena tropas a avançar "a partir de todas as direções" na Ucrânia
Continue lendo

POLÍTICA

TUDO SOBRE POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA