Geral

Cidade de São Paulo registra aumento significativamente e soma mais de 42 mil pessoas em situação de rua

Publicados

Geral

De acordo com o estudo feito pela UFMG, mais de 65% das pessoas sem lar na capital paulista são negras ou pardas – Foto: Renato S. Cerqueira / Futura Press Conteúdo

Jovem Pan – A população em situação de rua na cidade de São Paulo tem aumentado significativamente nos últimos anos. De acordo com um levantamento feito pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), baseada em dados do Ministério da Cidadania, a capital paulista tem mais de 42 mil pessoas nesta condição. O estudo, desta forma, aponta um número maior do que a própria Prefeitura contabiliza – no último balanço, a gestão municipal afirmou que 32 mil pessoas estão nas ruas.

Para Wellington Migliari, pesquisador da UFMG, dois fatores contribuíram com o aumento. “Um deles tem a ver com o eixo estrutural, como emprego, renda e a situação econômica do país. O outro eixo tem relação com a origem das famílias. O fato dessas famílias virem de populações negras e pardas, o que historicamente se cria uma desvantagem e um elo de vulnerabilidade muito grande.

Leia Também:  Levantamento diz que 20 milhões estão passando fome no Brasil, onde dobrou o número de favelas

Ainda de acordo com o estudo, mais de 65% das pessoas sem lar são negras ou pardas, enquanto 71% tem idade entre 30 e 59 anos. Já conforme os dados da Prefeitura de São Paulo, a região onde teve maior aumento foi na Mooca, localizada na Zona Leste, que registrou um acréscimo de 70% em relação ao último levantamento. Diante desta situação, alguns partidos políticos ingressaram com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo mais políticas públicas para os cidadãos em situação de vulnerabilidade social. Com informações da repórter Camila Yunes

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Geral

Projeto de extensão Doutores da Beleza promove curso para egressas dos presídios femininos de Santa Catarina

Publicados

em

A Universidade do Vale do Itajaí (Univali), por meio do projeto de extensão “Doutores da Beleza no Âmbito Social”, promove de 28 de junho a 9 de julho o curso profissionalizante de estética facial para egressas dos presídios femininos de Santa Catarina.

A formação, on-line e gratuita, terá quatro encontros e a expectativa é reunir cerca de 300 participantes.

O objetivo do curso é a ressocialização das mulheres por intermédio da qualificação profissional e inclusão no mercado de trabalho na área de estética. “O projeto Doutores da Beleza contribui para a geração de renda e inclusão social das egressas do sistema prisional do Estado. Este módulo será sobre depilação com linha e será ministrado pela professora Silmara Hoepers”, explica a professora Juliana Gallas, responsável pelo projeto.

O projeto de extensão Doutores da Beleza foi criado em 2008 e atua na profissionalização de pessoas em situação de vulnerabilidade. Mais de três mil pessoas já foram beneficiadas com cursos e ações.

Os projetos de extensão da Univali são supervisionados pela Coordenação de Projetos e Programas de Extensão da Vice-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Bombardeio russo mata mais de 70 militares ucranianos em uma base militar na cidade de Okhtyrka
Continue lendo

POLÍTICA

TUDO SOBRE POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA