Esporte

Revoltado: Fellipe Bastos, do Goiás, afirma que foi chamado de “macaco” duas vezes por torcedor do Atlético-GO

Publicados

Esporte

A injúria racial aconteceu no fim da partida entre Goiás e Atlético-GO; o técnico do Dragão, Umberto Louzer, prestou solidariedade a Fellipe Bastos – Foto: Rosiron Rodrigues

Fellipe Bastos afirmou que foi vítima de injúria racial por parte de um torcedor do Atlético-GO. A denuncia aconteceu após a vitória do Goiás sobre o Dragão, neste domingo, em partida válida pela quinta rodada do Brasileirão. O jogador, que saiu revoltado de campo, detalhou o ocorrido e pediu um basta.

– Aconteceu um ato racista. Eu estava saindo para o vestiário e um rapaz com óculos na cabeça me chamou de “macaco”. Eu voltei e falei para ele repetir. E ele falou: “macaco”. Me chamou duas vezes de macaco. No mundo em que a gente vive o ato racista nos deixa entristecido porque as pessoas que estavam ali do lado viram, as pessoas que estavam atrás de mim viram – disse Fellipe Bastos.

– O policial e os seguranças poderiam ter identificado o torcedor. É recorrente. Já aconteceu em outros estádios, com outros jogadores, outras pessoas. Temos que dar um basta nisso, só quem sofre é que sente. Eu não queria que isso abafasse nossa primeira vitória no Campeonato Brasileiro, mas é importante falar. Estou assustado, pois é a primeira vez que acontece comigo. Eu pedi para ele repetir e ele repetiu – completou.

Leia Também:  Flamengo vai a 4% de chance de título, e Atlético-MG tem 95%; Chapecoense está rebaixada

Fellipe Bastos ainda revelou que estava triste e perplexo com o ocorrido e relembrou de atos racistas que aconteceram recentemente em jogos da Libertadores. Além disso, ele frisou que o torcedor que cometeu o ato de injúria racial deve ser identificado e punido.

– Estou muito triste, perplexo com o que aconteceu porque não foi só uma vez. Eu pedi para ele repetir e ele repetiu. Ou seja, ele é racista, não tem outra coisa para se falar de uma pessoa que repete o ato errado, que volta e repete o que falou. Estamos vendo acontecimentos no futebol, a gente viu contra o Fortaleza e o Corinthians (na Libertadores).

– Outros casos aconteceram. Essa pessoa tem que ser identificada, tem que sofrer punição. Não acho que é o clube que tem que sofrer, uma pessoa não diz o que é o Atlético-GO, mas a pessoa tem que sofrer a punição. É fácil identificar, pois ele me chamou duas vezes de “macaco”

Vale destacar que, já na parte final da coletiva de Fellipe Bastos, o técnico Umberto Louzer, do Atlético-GO, entrou na sala de imprensa e prestou solidariedade ao jogador. Por Esporte IG

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Esporte

Em são Paulo, duas quadras de areia de beach tennis são instaladas na Ciclovia da Marginal do Rio Pinheiros

Publicados

em

Quadras de beach tennis instaladas na Ciclovia Rio Pinheiros, em São Paulo –  Foto: Marina Pinhoni

Quem anda de bicicleta na “orla” da Marginal do Rio Pinheiros ganhará mais uma opção de lazer e prática de esporte na “praia” de paulistano. Duas quadras de areia serão inauguradas na próxima quarta-feira (18) na Ciclovia Franco Montoro, que se estende por 22 quilômetros do rio.

O projeto patrocinado por empresas faz parte das ações de revitalização do Rio Pinheiros, e surfa na onda do aumento exponencial do beach tennis na cidade.

“O beach tennis é super inclusivo para quem nunca fez e quer começar a praticar algum esporte. E a gente quer mudar a cultura ali no rio para criar uma experiência diferente para a pessoa. Vai pedalar, jogar um beach tennis, o café é um ponto de encontro. Nos finais de semana a gente quer criar eventos. É um passeio para curtir o dia inteiro”, diz o empresário Anuar Tacach Filho, responsável pelo Ciclo Beach Tennis.

Cobrança de aluguel e horas gratuitas

Leia Também:  Mourão afirma que o orçamento secreto é uma "manobra", para beneficiar "aqueles que apoiam o governo Bolsonaro"

Embora o acesso à ciclovia seja gratuito, a entrada nas duas quadras seguirá a mesma lógica de outros espaços com a cobrança de aluguel por hora, que não é barato. Os preços vão de R$ 165 de segunda a sexta a R$ 220 a hora aos finais de semana. A reserva é feita por um site.

Os organizadores, no entanto, garantem que haverá destinação de horas gratuitas para moradores de comunidades da região. A segunda etapa do projeto também prevê a instalação de quadras totalmente gratuitas até outubro na outra margem do rio, onde será o Parque Bruno Covas.

“A gente vai vai fazer os cadastros das comunidades que beiram a margem do rio e vai doar uma hora por dia para essas pessoas. O plano é ter dez quadras no total, sendo mais oito do outro lado do rio. Dessas oito, quatro serão totalmente gratuitas”, afirma Tacach Filho.

Segundo o empresário, também está prevista a capacitação de pessoas de baixa renda para atuação como professores. “Tem uma explosão do esporte e uma demanda reprimida de professores. Os professores que existem estão faturando bastante. Então a ideia é fazer a capacitação das pessoas das comunidades.”

Leia Também:  Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa afirma que não descarta concorrer ao Planalto

Quadras de beach tennis instaladas na Ciclovia Rio Pinheiros, em São Paulo – Foto: Marina Pinhoni

Fonte: G1 São Paulo

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

TUDO SOBRE POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA