Economia

Aumento da taxa básica de juros é o principal instrumento do Banco Central para enfrentar a inflação

Publicados

Economia

Copom eleva Selic para 12,75% ao ano, maior patamar desde 2017 – Stillpressphoto / Divulgação

Metrópoles – O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu nesta quarta-feira (4/5), por unanimidade, elevar a taxa Selic de 11,75% para 12,75% ao ano – alta de um ponto percentual.

O aumento desta quarta é o décimo consecutivo na taxa. Com a decisão do Copom, a Selic alcançou o maior nível desde janeiro de 2017, quando a taxa básica de juros estava em 13%.

A alta da Selic já era esperada pelo mercado financeiro. No último Boletim Focus, a projeção era de que a taxa básica de juros encerrasse em 13,25% no fim deste ano.

O aumento da taxa básica de juros é o principal instrumento do Banco Central para enfrentar a inflação. Logo, o Copom tenta conter o movimento de alta de preços registrado nos últimos meses.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, acelerou para 1,62% em março, após alta de 1,01% em fevereiro.

Leia Também:  Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto se diz surpreso com inflação em março e reconhece: "muito alta"

O aumento na Selic já era esperado pelo mercado financeiro. No mais recente Boletim Focus, publicado pelo Banco Central na última quinta-feira (26/4), a projeção era de que a taxa básica de juros encerrasse em 13,25% no fim deste ano.

O economista André Braz, da Fundação Getulio Vargas (FGV), explica que a Selic funciona como um “remédio” para conter a inflação, mas que “há efeitos colaterais”.

“Como todo remédio, a alta da Selic também tem efeitos colaterais. Quanto mais altos os juros, menos a economia cresce. Então ela não estimula o crescimento econômico. O crescimento só vem a partir do momento que as famílias voltam a consumir, as empresas ampliam a atividade produtiva e empregam pessoas”, afirmou ao Metrópoles.

“Juros mais altos não estimulam compra de apartamento, compra de carro, compra de bens duráveis, viagens, tudo que necessita de crédito. O crédito fica mais caro a partir do momento da alta dos juros. E esfriando a demanda você tem então uma inflação um pouco menor”, acrescentou.

O que o Copom argumentou

Leia Também:  Pra acabar de matar o brasileiro, Bolsonaro diz que a Petrobras vai anunciar um novo aumento nos preços dos combustíveis em 20 dias

Em nota, o Comitê de Política Monetária disse é “provável” que a taxa básica de juros siga em alta até a próxima reunião, marcada para junho, mas em “menor magnitude”.

“O Comitê nota que a elevada incerteza da atual conjuntura, além do estágio avançado do ciclo de ajuste e seus impactos ainda por serem observados, demandam cautela adicional em sua atuação”, disse o colegiado no comunicado.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Alta no PIB do primeiro tri é mais fruto da normalização da economia do que crescimento real, diz FGV

Publicados

em

PRIMEIRO

Economistas destacam que o crescimento de 1,5% do PIB no primeiro trimestre “é muito mais uma volta ao período pré-pandemia”, do que um avanço real – Foto: Reuters

O crescimento de 1,5% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro no primeiro trimestre deste ano sobre o quarto trimestre de 2021, e de 2,4% sobre mesmo período do ano anterior, é mais fruto da normalização da atividade econômica ao nível pré-pandemia do que um avanço real da economia. A conclusão consta do Monitor do PIB divulgado pela Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira (17).

“É muito mais uma volta ao período pré-pandemia. Ninguém fica muito feliz de saber que, depois de dois anos ganhando menos por causa de uma pandemia, voltou a ganhar o que ganhava antes. Todo mundo quer ganhar mais”, disse o coordenador do Núcleo de Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), Claudio Considera, ao Estadão Conteúdo

“Não é de hoje que o Brasil está andando de lado. Faz tempo que estamos com 1% de crescimento. Não dá para comemorar crescimento de 1% como se fosse um grande milagre. Crescer 1% é muito ruim, isso precisa ficar claro”, completou o economista.

Leia Também:  Ministério Público pede ao TCU que Banco do Brasil e Coaf esclareçam salário de Sergio Moro na Alvarez & Marsal

“Nota-se que o desempenho do PIB ainda tem sido impulsionado pela normalização do nível de atividade pré-pandemia e este efeito está se esgotando, o que liga um alerta para a sustentabilidade do crescimento”, ressaltou Juliana Trece, coordenadora do Monitor do PIB – FGV, por meio de uma nota oficial. 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

TUDO SOBRE POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA