Ciência

Fenômeno luminoso: Meteoro cruza o céu e luz impressiona moradores do estado de Goiás, vídeo

Publicados

Ciência

Fenômeno luminoso registrado no céu de várias cidades goianas na noite de sábado (9) maravilhou alguns e assustou outros – Foto: Reprodução

Por Almiro Marcos, Metrópoles – A passagem de um objeto luminoso, possivelmente um meteoro, impressionou moradores de cidades de Goiás na noite de sábado (9/4). A luz forte que cruzou o céu foi avistada em vários pontos do estado próximos à capital.

Registros e relatos foram feitos em Goiânia, Aparecida de Goiânia, Hidrolândia, Teresópolis de Goiás e Anápolis. Nesta última cidade, inclusive, moradores disseram ter ouvido um estrondo que chegou a fazer o chão tremer.

O fenômeno foi registrado em vídeos.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  A volúpia de Bolsonaro na apropriação de instituições do Estado chega ao paroxismo no caso da “Wal do Açaí”
Propaganda

Ciência

Povos do Neolítico diinuíram cerca de 4 centímetros em relação aos seus ancestrais

Publicados

em

Ancestrais diminuíram quase 4 centímetros com mudança para agricultura – Foto: Divulgação / Penn State University

IG Ultimo Segundo – A mudança de métodos de caça e coleta para a agricultura que ocorreu entre os cidadãos há mais de 12 mil anos fez com que as pessoas diminuíssem aproximadamente 4 centímetros.

É o que indica um estudo desenvolvido por cientistas da Penn State University, localizada na Pensilvânia, nos Estados Unidos. Os resultados foram publicados na Pnas, revista acadêmica oficial da Academia Nacional de Ciências dos EUA.

Os cientistas apontam que a diminuição da altura é um indicador de uma precarização da saúde dos grupos analisados, dado que eles constataram que esses cidadãos passaram a não ter a nutrição adequada para sustentar o ritmo de crescimento do corpo.

Além disso, o aumento das doenças que atingiram os povos do Neolítico logo após a mudança para a agricultura também contribui para a diminuição de 3,81 centímetros em relação aos seus ancestrais.

“Começamos a pensar nas questões de longa data em torno da mudança da caça, coleta e forrageamento para a agricultura sedentária e decidimos olhar para como a saúde influenciou na mudança da altura dos grupos”, destaca Stephanie Marciniak, coordenadora do estudo, em comunicado divulgado pela Penn State University.

Leia Também:  Vídeo: Ex-governador e ex-senador, Roberto Requião, anuncia filiação ao Partido do Trabalhadores

encontrados em países como Reino Unido, Alemanha, Espanha, Polônia e Hungria. Todos eles viveram entre 38 mil e 2.400 mil anos atrás.  

O principal foco da pesquisa foi estudar os ossos mais longo do corpo desses ancestrais  e traçar paralelos com as amostras de DNA obtidas em estudos anteriores. 

Os cientistas também identificaram que, após o período Neolítico, tiveram aumentos constantes na altura dos povos nas idades do Cobre, Bronze e Ferro.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

TUDO SOBRE POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA